Cirurgia Da Diabetes

Cirurgia Da Diabetes
Avalie esta postagem

Cirurgia da diabetes! A prevenção, a melhora e mesmo a reversão do diabetes. São observadas nas diversas modalidades cirúrgicas bariátricas. Uma das primeiras grandes séries de cirurgias em diabéticos é o estudo de Greenville (EUA), no qual 165 pacientes diabéticos foram operados pelo by-pass gástrico e 83%. Desses permaneceram em remissão do diabetes em 14 anos de acompanhamento. O segundo maior estudo é o SOS (Swedish Obesity Subjects), que compara um grupo de pacientes operados com um grupo não operados.

Os dados do SOS indicam que houve prevalência do diabetes mellitus após 2 anos de seguimento, em 8%. No grupo controle e 1% no grupo operado, e após 10 anos, 24% no grupo controle e apenas 7% no grupo operado. Vários outros estudos demonstram remissão entre 70 e 90% dos casos, sendo evidente em taxas menores. Nos pacientes usuários de insulina por vários anos, nos quais a capacidade funcional da célula beta pode estar muito comprometida. Por outro lado, a totalidade dos pacientes usuários de hipoglicemiantes reverte o diabetes com a cirurgia da diabetes. O problema desses estudos observacionais é que nenhum deles foi desenhado para verificar especificamente o efeito em pacientes diabéticos.

 

CIRURGIA DA DIABETES RESTRITIVAS

As cirurgias puramente restritivas são representadas pela antiga gastroplastia vertical. De Meson uma técnica praticamente abandonada no Brasil devido ao reganho de peso, e por sua inferioridade de resultados ponderais. E metabólicos quando comparada ao by-pass gástrico. A versão atual da técnica puramente restritiva é a banda gástrica. O mecanismo de ação dessa técnica sobre o diabetes resume-se à redução da resistência à insulina decorrente da perda de peso em si.

Embora existam trabalhos demonstrando resultados positivos sobre a remissão do diabetes. Isto não corresponde à prática encontrada no Brasil. Além disso, existe tendência natural da não divulgação/publicação dos resultados insatisfatórios sobre a perda de peso. E inferiores na melhora das comorbidades.

O estudo SOS demonstra perdas ponderais de 25% do peso corporal após 10 anos. Do by-pass gástrico, contra 13% na banda gástrica. A redução da insulinemia foi de 54% e 25% respectivamente, mais uma vez evidenciando a inferioridade das técnicas puramente restritivas.

 

CIRURGIA DA DIABETES DISABSORTIVAS

Os procedimentos disabsortivos são eficazes na redução do peso e na melhora da sensibilidade à insulina. O primeiro procedimento bariátrico utilizado era a derivação jejunoileal, iniciada em 194 e caracterizada por perdas maciças de peso. Mas associada às altas taxas de complicações como desnutrição, litíase renal e insuficiência hepática essa técnica foi abandonada. A versão atual e eficaz da técnica disabsortiva e representada pela cirurgia de derivação biliodigestiva, conhecida no Brasil como cirurgia de Scopinaro. Suja perda de peso média é de 80% sobre o peso excessivo inicial com reversão do diabetes em pelo menos 85% dos casos.

O sucesso dessa cirurgia em diabéticos é reflexo da disabsorção de lipídios (provável redição da lipotoxicidade). E intensa melhora da sensibilidade à insulina. A comparação entre o by-pass gástrico (cirugia de Capella) e a cirurgia de Scopinaro. Sobre a resistência à insulina foi feita em conjunto pelo nosso grupo e um grupo italiano. Nesse trabalho, foi demostrado que a cirurgia de Scopinaro leva à melhora da sensibilidade à insulina de forma mais intensa, do que a cirurgia de Capella. Isso, no entanto, não confere uma superioridade à cirurgia disabsortiva, pois as complicações crônicas, em especial a desnutrição são mais intensas nessa cirurgia. Além disso, as taxas de remissão do diabetes parecem ser maiores na cirurgia de Capella.

 

CIRURGIA DA DIABETES “SACIETÓGENAS-INCRETÍNICAS”

A cirurgia de gastroplastia vertical com derivação jejunoileal é vista como uma evolução da gastroplastia vertical de Mason. Os resultados superiores foram inicialmente atribuídos à característica restritiva da cirurgia associada à disabsorção imposta pela derivação gstrojejunal. Essa cirurgia é classicamente conhecida como mista, com predominância do componente restritivo sobre o disabsortivo. A proposta de nomeá-la como sacietógena-incretínica refere-se ao conhecimento acumulado em relação aos mecanismos hormonais em especial à reversão do diabetes. Trabalhos observacionais mostraram melhora do controle glicêmico poucos dias após a cirurgia.

Não podendo ser atribuído ao emagrecimento, tampouco à melhora da resistência à insulina. Na verdade, a intensa redução da ingestão alimentar acompanhada da redução paradoxal do apetite á atribuída à diminuição da produção do hormônio grelina (umorexígeno endógeno). Pela exclusão do fundo gástrico do trânsito alimentar. A redução da grelina no seguimento de pacientes diabéticos foi demostrada, pela primeira vez, pelo nosso grupo no Brasil. Essa redução deve ser importante na prevenção do reganho de peso a longo prazo, caracterizando o efeito sacietógeno desse procedimento.

 

REVERSÃO DO DIABETES

A reversão do diabetes deve-se a aumento da sensibilidade à insulina associado à melhora na função de células beta. Incluindo a recuperação da primeira fase de secreção de insulina. Essa recuperação deve-se a aumento do hormônio gastrointestinal. Com ação incretínica, o glucagon like peptide 1 (GL-1) secundária à derivação jejunoileal. Assim, a cirurgia de Capella pode ser considerada um procedimento com resultados positivos. Decorrente da modulação de hormônio e incretinas, e é cirurgia padrão para o paciente diabético obeso mporbido.
. Obesidade E Diabetes Tipo 2
. Obesidade E Diabetes
. Diabetes Tipo 2 Mellitus

"E-Book" Receitas Que Levam o Abacate Como Um Importante Aliado Dos Diabético!

Emerson Fittpaldi

Olá eu me chamo Emerson sou criador do blog. Diabetes Mellitus e Alimentos. E criei esse Blog pra fala sobre. Tipos de Diabetes, Sintomas, Tratamentos, Complicações, é Alimentos que previne a doença.

Website: https://www.diabetesmellitusealimentos.com.br/

    Deixe uma resposta

    O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *